Pesquisa no blog

Carregando...

sábado, 18 de abril de 2015

Oração de Adoração


Renald E. Showers
A adoração deveria ser um elemento essencial da oração. A palavra moderna “adorar vem do latim “adorare”: render culto (à divindade), venerar, amar extremosamente”.[1] Estes significados indicam que a oração de adoração deveria consistir de expressões de dignidade, respeito e reverência oferecidas a Deus.
A palavra santo relaciona-se significativamente a expressões de dignidade, respeito e reverência oferecidas a Deus. A raiz principal da palavra que foi traduzida por “santo” significa “separar”.[2] Uma pessoa santa é separada de outras pessoas e coisas no sentido de ser diferente, distinta ou mesmo única, singular, em comparação com os outros. Desta forma, quando a Bíblia declara que Deus é santo, ela está dizendo que Ele é diferente, distinto, único, ou singular, em comparação com tudo e com todos.
Depois que Deus guiou o povo de Israel em segurança através do Mar Vermelho, eles disseram: “Senhor, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu, glorificado em santidade?” (Êx 15.11). Eles associaram a santidade de Deus com o fato de que Ele é único entre todos os outros deuses.
Ana, a mãe de Samuel, declarou: “Não há santo como o Senhor; porque não há outro além de ti; e Rocha não há, nenhuma, como o nosso Deus” (1Sm 2.2). Ela igualou a santidade de Deus com Sua singularidade.
Perguntou Deus: “A quem, pois, me comparareis para que eu lhe seja igual? – diz o Santo” (Is 40.25). Ele indicou Sua santidade e Sua singularidade. Ao declarar: “Eu sou Deus e não homem, o Santo no meio de ti” (Os 11.9), Ele quis dizer que a Sua santidade envolve Seu ser diferente ou distinto da humanidade.
Senaqueribe, rei da Assíria, afirmou que, assim como os deuses de outras nações não podiam resgatar tais nações de suas mãos fortes, assim também o Deus de Israel seria incapaz de resgatar Jerusalém (2Rs 18.28-35; 2Rs 19.8-13). Esta insinuação, de que o Deus de Israel em nada era diferente dos deuses das outras nações, foi um ataque verbal à singularidade, ou à santidade, de Deus.
Deus respondeu a Senaqueribe como segue: “A quem afrontaste e de quem blasfemaste? E contra quem alçaste a voz e arrogantemente ergueste os olhos? Contra o Santo de Israel” (2Rs 19.22). Ele advertiu a Senaqueribe de que o Deus de Israel é diferente de todos os outros. Deus demonstrou Sua singularidade matando 185 mil soldados assírios em uma única noite (v. 35).
A singularidade de Deus parece significar mais para Ele do que qualquer outro atributo.
Os anjos acima do trono de Deus clamam:“Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus dos exércitos” (Is 6.3); e aqueles ao redor do trono de Deus não descansam dia e noite, dizendo: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso” (Ap 4.8).Estes fatos parecem indicar que a singularidade de Deus significa mais para Ele do que qualquer outro atributo. Sua santidade é absolutamente essencial para que Ele seja quem Ele é.
Ao povo de Deus foi dada a seguinte ordem: “Adorai o Senhor na beleza da santidade” (Sl 29.2). A palavra traduzida por “beleza” significa “adorno”. Na adoração em público ou em particular, os crentes devem adornar a Deus com Sua santidade, declarando quão diferente, distinto ou único Ele é em contraste com tudo e todos mais.[3] (Renald E. Showers — Israel My Glory — Chamada.com.br)
Renald E. Showers é escritor e conferencista internacional de The Friends of Israel.

Notas:

  1. Cunha, Antonio Geraldo da, Dicionário de Etimologia Nova Fronteira.
  2. Otto Procksch, “hagios”, Theological Dictionary of the New Testament [Dicionário Teológico do Novo Testamento] , ed. Gerhardt Kiteel, trad./ed. Geoffrey W. Bromiley, traduzido de Theologisches Wörterbuch zum Neuen Testament (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1964), 1:89.
  3. Francis Brown, S. R. Driver, e Charles A. Briggs, “hadarah”, A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament [Léxico em Hebraico e em Inglês do Novo Testamento] (Oxford: Clarendon Press, 1975), 214.